HISTORIANET

Filmes

EM NOME DO PAI

TÍTULO DO FILME: EM NOME DO PAI (In the Name of the Father, Irlanda/Grã Bretanha/EUA, 1993)DIREÇÃO: Jim SheridanELENCO: Daniel Day-Lewis, Emma Thompson, Pete Postlethwait, John Linch, Corin Redgrave. 132 min.RESUMOEm 1974, um atentado a bomba produzido pelo IRA (Exército Republicano Irlandês) mata cinco pessoas num pub de Guilford, arredores de Londres. O jovem rebelde irlandês Gerry Conlon e três amigos são presos e condenados pelo crime. Giuseppe Conlon, pai de Gerry, tenta ajudar o filho e também é condenado, mas pede ajuda à advogada Gareth Peirce, que investiga as irregularidades do caso.CONTEXTO HISTÓRICOO atentado retratado pelo filme faz parte de uma atualidade que se tornou rotina na Inglaterra desde a divisão da Irlanda em 1921.Dominada desde o século XII pelos ingleses, a Irlanda nunca se deixou subjugar completamente. País de língua celta e de religião católica (exceto na região nordeste no Ultser), a Irlanda origina-se no século IV antes de nossa era, quando ocorre a chegada de uma população céltica, os gaélicos, diferente daquela que, na mesma época, invadiu a Grã-Bretanha. No século XVIII a Irlanda conheceu uma exploração tão violenta, que sua população chegou a diminuir sensivelmente.Em 1801 com a "Ata da União", o parlamento inglês anexou totalmente a região, dando aos irlandeses uma participação insignificante no governo, onde patriotas como Oâ??Connel e Parnell, deputados pela Irlanda, lutaram pela autonomia política, a "Home Rule".Já era comum que a luta resultasse em radicalismos e violência, contando com a atuação de sociedades secretas como a "Jovem Irlanda" e a "Liga Agrária de Parnell". Por outro lado, os 3/4 católicos da população irlandesa não possuíam direito de representação parlamentar, até que em 1899 decretou-se a "Ata da Emancipação", que inclusive suprimia o caráter oficial da Igreja Anglicana na Irlanda.Somente o início do século XX conheceu a autonomia política da Irlanda. Em 1914, formou-se um parlamento e em 1921 após dois anos de guerrilha foi reconhecido o Estado Livre da Irlanda, membro do Commonwealth, mas sem a região do Ultser, onde os protestantes representavam a maioria. O primeiro ministro britânico Lloyd George formalizava assim, a divisão da Irlanda em Norte - "Ultser" (de maioria protestante e industrializada, totalmente em mãos inglesas, com capital em Belfast) e o Sul - "Eire" (de maioria católica e independente da Comunidade Britânica).Em 1948 a constituição do Eire foi modificada e o país tornou-se a República da Irlanda, rompendo com a Commonwealth. Apesar de apoiar a união com o Ultser, a República da Irlanda reprova a luta armada e as ações terroristas do IRA, sigla de Irish Republican Army (Exército Republicano Irlandês), força nacionalista que substituiu, a partir de 1919, os voluntários irlandeses, e da qual uma parte constituiu o novo exército do Estado livre após o Tratado de Londres (1921). Prosseguindo em sua luta contra o governo britânico na Irlanda do Norte, dividiu-se em dois ramos em 1969: o IRA "oficial", que condena o terrorismo, e o IRA "provisório", dominante na Irlanda do Norte, que pratica ações terroristas sistematicamente, como forma de chamar a atenção da opinião pública internacional e pressionar o governo britânico, visando a soberania da Irlanda do Norte em relação a Grã-Bretanha, e em última instância, a integração com a República da Irlanda.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET