HISTORIANET

Brasil República

Brasília: 40 anos

INTRODUÇÃO

No dia 21 de abril a cidade de Brasília completa 40 anos. A nova capital foi inaugurada em 1960, último ano do mandato do presidente Juscelino Kubitschek, que durante toda a campanha presidencial defendeu a criação da nova cidade, que passou a ser vista como símbolo da modernidade e principalmente de um novo Brasil.
A modernidade não estava apenas nas linhas das construções de Oscar Niemeyer e Lúcio Costa no traçado da cidade, mas principalmente na idéia de desenvolvimento global que a nova cidade representava.


JK em Brasília - foto da Revista Manchete de 7 de maio de 1960


A HISTÓRIA

Durante o período colonial alguns já falavam na interiorização da capital, como os inconfidentes mineiros, que pretendiam fazer de São João del Rei a capital do país livre.
A primeira idéia concreta em relação a transferência da capital apareceu em 1823, com a proposta de José Bonifácio de Andrada e Silva, que inclusive sugeriu o nome de Brasília para a nova capital.
Com a proclamação da República nova Constituição foi elaborada e novamente a idéia foi debatida, sendo aprovado um dispositivo que determinava a realização de estudos para a construção da futura capital; porém, o processo e as verbas necessárias não saíram do papel. Durante o governo de Rodrigues Alves no início do século, o Rio de Janeiro, então capital, foi reurbanizado fortalecendo a tendência de manutenção pelos anos subsequentes. Após o movimento de 1930, a idéia foi retomada com a Grande Comissão Nacional de Revisão territorial e Localização da Capital, controlada pelo IBGE, porém este foi um período de crise e com o início do Estado Novo em 37 a idéia foi novamente "esquecida".
Após este período, a idéia voltou revigorada, aprovada na Constituição de 1946, que determinava que a nova capital fosse instalada no Planalto Central. Comissões de estudos foram formadas e o nome Brasília foi consagrado; em 1953 o presidente Vargas contrata uma empresa norte americana para fazer o levantamento aéreo da região escolhida no Planalto Central.

Juscelino Kubitschek

Candidato a presidência pela coligação PSD -- PTB, Juscelino em seu primeiro comício no interior de Goiás afirmou que construiria a nova capital. Com o slogam de "50 anos de progresso em 5 anos de governo" a modernização do país era o eixo do discurso do candidato e a nova capital não só encaixava-se perfeitamente nesse discurso, como passou a simbolizar a própria modernidade. Depois de eleito, JK assinou a Mensagem de Anápolis, lançando as bases para a criação da NOVACAP ( Cia Urbanizadora da Nova Capital) que iniciou os trabalhos a 3 de novembro de 1956, seguindo o projeto de Oscar Niemeyer e Lúcio Costa.
A inauguração, em 21 de abril de 1960, realizou-se com grande festa, foi coberta por jornalistas de diversos países e vista como início de uma Nova Era.


Discurso de JK na inauguração - foto Revista Manchete


Desenvolvimentismo e Nacionalismo

Identificar a idéia de desenvolvimentismo no governo JK não é difícil. O desenvolvimento tradicional, que é a visão predominante, que significa na prática o aumento da produção industrial, a urbanização, enfim "as obras".
Durante esse período a taxa de crescimento real da economia foi de 7% ao ano, a produção industrial cresceu 100%. Todo esse desenvolvimento foi definido a partir do Plano de Metas, que priorizou a substituição de importações nos setores de bens de capitais e bens de consumo duráveis.
O Estado continuou a financiar grande parte das indústrias de base através de novas emissões de moedas ou de empréstimos externos. que pretendia um processo de integração com outros setores da vida nacional. Já o setor de bens de consumo desenvolveu-se a partir da internacionalização da economia e para isso utilizou-se a instrução 113 da SUMOC ( Superintendência da Moeda e do Crédito) que garantia a importação de máquinas e equipamentos no exterior, sem impostos, desde que os empresários estrangeiros tivessem sócio nacional.
Desta maneira realizou-se a abertura do mercado nacional para as grandes empresas estrangeiras, que passaram a investir maciçamente no Brasil, numa época onde havia disponibilidade de capitais devido a retração da indústria de guerra. Assim, os EUA e outras nações européias retomavam a expansão imperialista.

Apesar do crescimento da produção interna, cresceu também a dependência tecnológica, pois as empresas aqui instaladas continuavam a importar máquinas; e a dependência financeira fruto do maior endividamento e da remessa de lucros realizadas pelas multinacionais.
O crescimento urbano foi acompanhado pelo crescimento de uma "classe média", em grande parte vinculada ao setor de serviços, ampliando-se também o consumo. Com um volume menor de dinheiro em circulação, a inflação voltou a crescer e apesar dos investimentos públicos no setor de serviços, as cidades não estavam preparadas para o crescimento, pois atraíam milhares de homens que abandonavam o campo. A política para o setor agrária caracterizou-se pela manutenção do modelo tradicional. A concentração fundiária manteve-se e foi menos questionada, uma vez que toda a discussão econômica passou a basear-se no desenvolvimento industrial. Desta maneira, os financiamentos tradicionais garantiram a manutenção do latifúndio ao mesmo tempo em que a não existência de uma nova política para o campo garantia o afluxo constante de mão de obra barata para as cidades.


Candangos - revista Manchete


Um dos primeiros exemplos dessa inversão pode ser presenciado na própria construção de Brasília, onde o trabalhador, chamado então candango, torna-se uma figura peculiar, inclusive do ponto de vista cultural, homens de diversas regiões, principalmente do nordeste, trabalhadores braçais, unidos a partir do ideal de que constroem -- literalmente- o progresso.


Candangos na inauguração da Capital - revista Manchete


A crise econômica manifestou-se com intensidade no final do governo JK, eliminando grande parte do ufanismo desenvolvimentista, fazendo com que o candidato oficial, o Marechal Lott saísse derrotado na disputa pela sucessão presidencial.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

Enquete

Acerca das questões de História no ENEM, você considera:




Desafio Histórico

Sobre a criação das Capitanias no Brasil pode-se considerar como correto:




COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET