HISTORIANET

Atualidades

Torre de Pisa: A Recuperação da História

INTRODUÇÃO

Pouco durou a alegria dos italianos e dos apreciadores da arte em geral, quando no dia 17 de junho de 2000 a Torre de Pisa voltou a ser reaberta para visitação. Foi a primeira vez, desde 1990 que um grupo de pessoas, cerca de cem estudantes universitários, teve autorização para escalar os 294 degraus que separam a base, da cúpula do famoso campanário inclinado, que junto com a catedral e o cemitério compreende o complexo arquitetônico da "Escola Toscana". A frustração veio no dia seguinte, quando a torre circular de mármore voltou a ser interditada, devendo ser liberada para o turismo somente dentro de um ano. Até lá, se espera que a inclinação diminua mais 30 centímetros.

O investimento de US$27 milhões para diminuir a inclinação do prédio, não produziu o efeito desejado. Desde 1990, início da última restauração, quando o desvio assustou o mundo todo atingindo 4 metros, foram reduzidos apenas 14 centímetros, o suficiente para salvar o monumento da destruição, mas não de uma nova interdição.




UM POUCO DE HISTÓRIA

A cidade de Pisa, que já era um razoável centro comercial durante a antiguidade romana, assegurou seu desenvolvimento com o comércio no Mediterrâneo ao derrotar os sarracenos no século XI. Durante as Cruzadas estabeleceu pontos de apoio no Oriente Próximo com entrepostos comerciais em Antióquia e Constantinopla.
Após seu apogeu comercial e cultural nas primeiras décadas do século XIII, Pisa iniciou um processo de decadência em razão de diversos fatores, como a quase falência de seu porto, que não conseguiu concorrer com outros vizinhos, além de lutas internas, das quais se aproveitaram outras repúblicas marítimas rivais como Lucca, Gênova e Florença. Derrotada por Gênova, Pisa não conseguiu se recuperar, sendo anexada ao domínio florentino no início do século XV. Gradualmente foi perdendo sua importância comercial para Livorno entre os séculos XVI e XVII, sendo posteriormente (1815), anexada ao grão-ducado de Toscana, integrando-se ao reino da Itália desde 1860.




A INCLINAÇÃO DA TORRE

A praça dos Milagres, onde a Torre de Pisa começou a ser construída no século XII, é um local afastado do centro da cidade antiga. A praça abriga a torre inclinada e outros belíssimos monumentos decorados com arcadas vedadas ou abertas, características do estilo pisano. A torre foi erguida entre 1173 e o final do século XIII, sobre um solo instável chamado Campo dos Milagres. Os problemas referentes à instabilidade do solo não demoraram a aparecer, quando já na terceira laje a construção precisou ser interrompida porque as fundações entortaram levemente para o norte. Não bastasse isso, logo depois, penderam para o sul. O problema tentou ser corrigido com a utilização de pedras mais longas no lado sul, o que resultou num edifício levemente curvo, como uma banana. Com mais esse problema, as paredes da cúpula, chamada de Torre do Sino, tiveram que ser aparadas para que o teto ficasse regular.
Apesar do árduo trabalho de engenheiros e arquitetos, no sentido de estacionar ou pelo menos reduzir o problema, a inclinação prosseguiu com uma média de 1,2 milímetros por ano. A situação ficou extremamente delicada em meados do século XIX, quando foram feitas escavações ao redor da torre em busca da base da coluna. Em poucos dias o ângulo aumentou quase um grau. No início dos anos 30 o ditador fascista Benito Mussolini prometeu que a torre voltaria a ser reta, fazendo de sua recuperação um de seus trunfos nacionalistas. Foram injetadas quase cem toneladas de argamassa no solo e o que se viu foi uma inclinação ainda maior.




NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO XX

Em 1989, quando desmoronou uma torre medieval na cidade de Pavia, também construída em solo esponjoso, o governo italiano preocupado com Pisa, realizou um estudo mais minucioso sobre os possíveis riscos da torre e chegou a conclusão que a mesma tombaria em no máximo 20 anos. A torre inclinada foi interditada e uma equipe internacional de especialistas decidiu em caráter emergencial, instalar contrapesos de concreto na face norte e amarrá-la com cabos de aço.
Em 1995 a torre inclinou 2,5 milímetros em uma só noite. Com auxílio de computadores foram realizadas simulações que apontariam para o que seria a solução definitiva. Ao invés de introduzir argamassa no lado sul como fizera Mussolini, seria extraída terra do lado norte, para que a torre afundasse desigualmente visando a redução do ângulo. Parece que essas medidas caminham no sentido correto e a remoção de terra vai prosseguir. Apesar dos cabos de aço permanecerem atados ao mármore, os contrapesos já começaram a ser removidos desde 1999. A intenção, que parece um sonho é de um dia a torre se estabilizar verticalmente sem inclinação. Certamente será um marco na história, tão importante ou até mais do que o dia em que a torre foi concluída na Idade Média.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET