HISTORIANET

Antiga

As Guerras Civis

As "Guerras Civis" representam o processo de transição política pela qual passou a Roma antiga, no último século do regime republicano. Nesse período a luta de classe tornou-se mais acirrada e complexa, pois a organização sócio-econômica havia se tornado mais complexa.

As Transformações Estruturais

As conquistas realizadas pelos romanos durante mais de trezentos anos mudou completamente a feição da sociedade e a organização da produção da cidade. A cidade deixou de ser apenas uma cidade para passar a ter o controle sobre vastas extensões de terra, envolvendo praticamente todo o norte da África, a região da Palestina, todo o sul da Europa e a região que corresponde hoje à França.

As guerras responsáveis por essas grandes conquistas também foram responsáveis pela formação do modo de produção escravista, ou seja, pela formação de uma nova camada social - escravos - que torna-se determinante para a produção da riqueza social. O trabalho escravo desenvolveu-se rapidamente, pois havia escravos em abundância e seu preço era baixo, principalmente nas atividades rurais, mas também nas cidades, provocando a marginalização da plebe.

A plebe marginalizada tendeu a migrar em massa para as cidades, especialmente Roma, onde aglomerava-se constituindo uma grande massa pauperizada e que eventualmente se rebelava contra tal situação. A possibilidade de uma revolução plebéia fez com que a elite senatorial passasse a distribuir "pão" e a promover o "circo", ou seja, garantir o abastecimento mínimo e dar diversão à plebe, com o objetivo de alienar uma parcela dessa camada, evitando uma explosão social.

O desenvolvimento do comércio pelo Mar Mediterrâneo foi responsável pelo enriquecimento dos Homens novos ( também chamados cavaleiros ), formaram uma nova camada social, com interesses peculiares, principalmente por que eram oriundos da plebe e apesar de enriquecidos, continuavam marginalizados politicamente.
Há que se considerar ainda a formação do exército enquanto instituição, comandado por homens de origem patrícia, que aparentemente passaram a viver do próprio exército; porém, apesar das peculiaridades da vida militar, o exército foi responsável pela conquista de terra e de escravos, ou seja, dos elementos produtivos fundamentais para a sociedade romana, preservando a estrutura tradicional de produção, baseada no escravismo.

A Crise

O confronto de interesses envolvendo esses grupos sociais tornou-se muito intenso no último século do período republicano. Até então podemos considerar o Senado como o centro das decisões do Estado romano, apesar das disputas internas, da corrupção e outros problemas.

A crise pode ser percebida a partir do momento em que a vida política passa a ser determinada pela radicalização das propostas sócio-econômicas, na medida em que cada classe ou facção de classe passa a utilizar-se de armas variadas na disputa pelo poder. Nesse período as discussões e votações no Senado passam para um campo secundário, substituídas em importância pelas conspirações, assassinatos, golpes e ditaduras. É exatamente essa situação que passamos a tratar por Guerra Civil, as novas armas na disputa pelo poder mostram a intensidade da disputa política envolvendo interesses distintos

A Manutenção do Escravismo

Apesar da existência de interesses específicos, a manutenção do trabalho escravo e consequentemente da situação de marginalidade da plebe, eram pressupostos básicos tanto para os tradicionais patrícios, assim como para os homens novos e militares, no entanto interesses específicos em relação à organização econômica e a participação política determinaram as disputas internas a essas camadas elitizadas.

Os patrícios pretendiam manter os privilégios tradicionais, eram os únicos com direitos políticos plenos, e conseguiam dessa forma manter o controle sobre o Estado assegurando a continuidade do escravismo, da estrutura fundiária, e das leis que beneficiavam a agricultura. Dessa maneira utilizaram-se de todos os métodos ilícitos disponíveis para preservar seus privilégios, sendo que os maiores exemplos foram as perseguições aos representantes da plebe, que defendiam a reforma agrária, Tibério Gracco e anos depois Caio Gracco, ambos assassinados junto com seus partidários, fruto das violentas perseguições organizadas pela elite senatorial.

Das leis elaboradas por Caio Gracco e aprovadas, a única que permaneceu foi a Lei Frumentária, segundo a qual o Estado era obrigado a vender trigo à população urbana por preço inferior ao de mercado.

Os homens novos, enriquecidos com o comércio, pretendiam maior participação na vida política romana, como a ocupação de cargos no Senado, com o objetivo de assegurar melhores condições para as práticas comerciais, que na verdade envolviam não só elementos financeiros, mas militares e relacionados a administração das províncias. Apesar de ricos, os mercadores formavam um grupo pequeno e por isso procurou apoiar-se na plebe e nos militares para atingir seus objetivos, apoiaram as reformas de caio Gracco e posteriormente envolveram-se nas disputas militares, sempre procurando enfraquecer o poder da elite patrícia.

Os militares formavam uma categoria especial, não havia nesse grupo um interesse de classe nítido, tanto a facção que procurou defender os elementos tradicionais, como a facção que apoiou o Partido democrático, pretendiam preservar o sistema escravista. As disputas, mesmo intensas, representam apenas interesses localizados e nenhuma delas pretendia transformações estruturais, ou seja, as disputas militares demonstram a importância do exército na organização política, utilizado ou pelos patrícios com o objetivo de manter privilégios ou pelos "democráticos" como forma de conquistarem direitos.

Os Militares no Poder

Tradicionalmente a história atribui grandes feitos à alguns homens, e é assim também com vários generais romanos. Quando a exaltação ocorre no período contemporâneo fica mais fácil detectarmos o velho vício de valorizar os "heróis", porém, no passado, muitas vezes passa despercebido esse processo uma vez que temos informações limitados sobre o período.
Não é diferente com a história de alguns generais que governaram Roma: Mário, Sila, Júlio César ou mesmo Otávio. Como chegaram e se mantiveram no poder? Por vontade própria? Claro que não... nenhum homem faz nada sozinho. Então por vontade do exército.... eis nosso problema.

Apesar de profissionalizado e importante, não é difícil perceber que na Roma antiga não havia um, mas vários exércitos. Podemos perceber essa situação analisando a luta pelo poder entre Mário e Sila, que na verdade deve ser vista como um confronto entre os grupos populares ( ou democráticos ) e a elite patrícia tradicional. Como Júlio César chegou ao poder? Sem dúvida o comando do exército e suas vitórias foram muito importantes, porém importantes para aumentar seu prestígio junto às camadas populares, que na verdade apoiaram sua ascensão ao poder. Mesmo que se considere que havia um processo de manipulação das massas romanas, estaremos concluindo que ter os plebeus a seu lado era fundamental para muitos dos generais que chegaram ou ambicionaram o poder.

A formação do segundo triunvirato por Marco Antonio baseou-se no apoio popular, assim como a ascensão de Otávio ( após luta com o mesmo Marco Antonio) pressupôs o apoio da plebe romana, explicando o deslocamento de toneladas de alimentos do Egito para Roma.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

Enquete

Acerca das questões de História no ENEM, você considera:




Desafio Histórico

Sobre a criação das Capitanias no Brasil pode-se considerar como correto:




COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET