HISTORIANET

Atualidades

A Reunificação Alemã

Introdução A cidade de Dressden foi palco das comemorações oficiais pela reunificação alemã e reuniu autoridades de diversos países. No entanto, se a reunificação tendeu a eliminar alguns problemas, foi responsável por novos. O mais visível é a diferença no padrão de vida entre alemães ocidentais e orientais, porém, o mais assustador é a reorganização dos grupos neonazistas que voltam a perseguir estrangeiros residentes no país e, no próprio dia 3 promoveram um atentado contra uma sinagoga na cidade de Dusseldorf.
 
HISTÓRIA



Desde 1943 os alemães foram forçados a recuar nas frentes de batalha, durante a Segunda Guerra Mundial. Derrotados na Batalha de Stalingrado, os alemães passaram a sofrer reveses sistemáticos, mudando completamente o rumo tomado pela guerra até então. O avanço soviético foi responsável num primeiro momento pela expulsão das tropas nazistas do território ocupado, forçando-os a recuar para o "leste europeu". O exército soviético avançava sobre as zonas ocupadas pelos nazistas e gradualmente iniciou a recuperação de diversos países como a Bulgária, a Hungria, a Tchecoslováquia, a Polônia e a Finlândia, marchando em direção à Alemanha. Ao mesmo tempo, na frente ocidental, os aliados articulavam o ataque que pretendia libertar a França e iniciar o avanço sobre a Alemanha. Desde o final de 1942 os alemães vinham perdendo territórios no norte da África, porém mantinha o controle sobre a Europa ocidental. Em fevereiro de 1945, os líderes dos EUA, Inglaterra e URSS ( Roosevelt, Churchill e Stálin) reuniram-se na Conferência de Ialta, na Criméia, onde decidiram o avanço final sobre a Alemanha e ao mesmo tempo determinaram a manutenção das tropas soviética no "leste europeu" possibilitando a influência do regime soviético sobre aquela região. Em julho do mesmo ano realizou-se a Conferência de Potsdam, onde se reuniram Stálin, Churchill e Truman, novo presidente dos EUA, onde adotaram várias decisões, destacando-se a perda de territórios por parte da Alemanha, a desmilitarização, o pagamento das reparações de guerra na forma de máquinas, equipamentos e navios mercantes e a divisão do território alemão em quatro zonas de influência. Por um grande centro industrial e financeiro, a cidade de Berlim também deveria ser dividida em quatro zonas de influência, mesmo estando do lado oriental. Desta maneira, criava-se uma estranha situação, onde uma cidade do lado comunista teria três partes sob comando de países capitalistas. A



DIVISÃO


Após a divisão da Alemanha e o final da Guerra, iniciou-se a polarização denominada Guerra Fria. De um lado a política norte-americana de procurar reorganizar os mercados dos países capitalistas, a partir de seus interesses imperialistas, e de outro a política da União Soviética, procurando expandir sua influência sobre outros países, criando uma zona de influência militar e econômica. A Guerra Fria foi na prática uma disputa imperialista entre as principais potências que emergiram da Segunda Guerra. Um dos efeitos da Guerra Fria, nome dado ao período que se seguiu a Segunda Guerra Mundial, foi considerar que a Alemanha foi dividida em duas partes, assim como Berlim. Tem-se normalmente a idéia de que os soviéticos tomaram a parte oriental do país e da cidade enquanto que o lado Ocidental permaneceu "livre". A propaganda anticomunista que se desenvolveu em todo o mundo capitalista, acabou sendo responsável, propositalmente, para a difusão deste erro. Outro equívoco é achar que a divisão em duas partes da cidade foi realizada na prática com a construção do Muro de Berlim. Os países capitalistas decidiram reunir suas zonas de influência em uma única administração, fortalecendo-os frente aos soviéticos; em represália, Stálin decretou o bloqueio dos suprimentos para os aliados, uma vez que a parte capitalista da cidade ficava na Alemanha Oriental, seu território deveria ser atravessado para que Berlim Ocidental fosse abastecida. Ao impedir o transporte de mercadorias por território controlado pela URSS, iniciou-se a primeira crise de Berlim. O ocidente contornou o problema com a criação de um "corredor aéreo", através do qual, a aviação aliada passou a abastecer a cidade (1948-49).


Em 1949 as zonas de ocupação ocidental foram transformadas na República Federal da Alemanha, enquanto que a zona sob influência soviética tornou-se a República Democrática Alemã.



Veja outros textos sobre Alemanha:





Filme: Arquitetura da Destruição



Alemanha: Indenização para vítimas do Holocausto

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET