HISTORIANET

Contemporânea

O Início da Segunda Guerra

INTRODUÇÃO

Tradicionalmente a Segunda Guerra Mundial é dividida em duas fases. É uma divisão arbitrária, realizada pela historiografia tradicional, após a guerra. Se a análise da Segunda Guerra foi realizada principalmente após o término da guerra, isto significa dizer que ela foi feita durante o período que se convencionou chamar de " Guerra Fria" ou seja, época onde se inicia o discurso anti soviético como eixo da política externa dos EUA, que vai predominar no mundo ocidental e reflete-se na imprensa, na produção literária e consequentemente nos livros didáticos.
Na prática significa dizer que a análise da guerra destacou principalmente a importância das tropas norte-americanas e ingleses e subestimou o papel das forças soviéticas na guerra. Percebe-se isso quando da divisão da guerra: até 1941 e depois de 1941, ou seja, antes da entrada dos EUA e depois da entrada dos EUA.
No entanto podemos fazer uma outra divisão: poderíamos pensar no ano de 1942, quando o general Bernard Law Montgomery (inglês) comandou as vitórias sobre as tropas do Eixo, forçadas a desocupar o norte da África; ou ainda poderíamos pensar no ano de 1943, quando da Batalha de Stalingrado, com a grande vitória soviética sobre os alemães, feito considerado heróico por muitos estudiosos, porém minimizado nas obras didáticas
A força da política externa norte-americana foi tão forte, que conseguiu fazer com que a vitória soviética não fosse uma vitória; os escritos sobre Stalingrado dirão que foi a derrota alemã, e que o fator decisivo para a derrota alemã foi o frio e não a atuação do exército vermelho.

O AVANÇO ALEMÃO


Ribbentrop



Ao contrário do que Inglaterra e França pretendiam, a Conferência de Munique (setembro de 1938), com a decisão que permitia a anexação dos Sudetos por parte da Alemanha, estimulou Hitler em sua política expansionista. A "política de apaziguamento" na prática não surtiu efeito, pelo contrário. Acentuou-se o militarismo alemão e o sentimento nacionalista. Em agosto de 1939, foi assinado o "Pacto Germânico-Soviético" procurando garantir a neutralidade soviética frente aos movimentos militares alemães; estava aberta a possibilidade da Guerra.


Invasão da Polônia


Ocupação de Varsóvia


A Guerra iniciou-se 1° de setembro de 1939, quando as tropas nazistas invadiram a Polônia, utilizando-se das ofensivas-relâmpago (blitzkrieg), com aviões stuka da Luftwaffe e tanques blindados, que, em menos de um mês derrotaram as forças polonesas.
A invasão alemã pretendia retomar o "corredor polonês" e o porto de Dantizg, considerado estratégico e um direito alemão. Interessava também à Alemanha a região da Alta Silésia, com importantes reservas carboníferas
Seguindo a política anglo-francesa, a polônia havia retardado a mobilização de suas tropas. Embora na semana precedente ao ataque alemão tivessem tomado as medidas preliminares, elas não foram suficientes para garantir a resistência. a eficácia do ataque aéreo alemão foi devastadora e total. O bombardeio das estradas de ferro da Polônia desorganizou completamente os transportes e comunicações e tornou difícil a coordenação. Os ataques às bases aéreas polonesas, eliminaram qualquer possibilidade de reação por ar.
Em 17 de setembro o país também foi invadido pela URSS. As tropas poloneses foram massacradas pelos dois exércitos, que dividiram o país em dois, conforme já definido no pacto assinado em agosto.

Invasão da Escandinávia


Tropas alemãs na Noruega


Na manhã do dia 9 de abril, navios alemães começaram a invadir os portos noruegueses e dinamarqueses através do porto de Narvik, principal via de escoamento de minério de ferro importado pela Alemanha junto a Suécia (país que declarou-se neutro na Guerra). Internamente não houve resistência pois nenhum dos dois países contava com exércitos que pudessem esboçar qualquer reação, além disso, na Noruega Hitler instalou um governo fantoche e colaboracionista. A reação externa partiu da Inglaterra, que enviou navios de guerra à região entre os dias 10 e 13, e conseguiu afundar vários navios alemães, porém não impediu a ocupação definitiva dos dois países.


Invasão dos Países Baixos


Stuka



A invasão da região era parte do plano maior de Hitler: a invasão da França. Utilizando-se da guerra relampago, a Alemanha invadiu a Holanda em 10 de maio por ar e por terra e dominou o país em apenas 4 dias.
A resistência belga não conseguiu se manter por muito mais tempo. Utilizando-se de tática semelhante, os alemães mostraram a eficiência dos carros de combate das forças Panzer, ocupando a região sul do país, que lhes permitiriam posteriormente invadir a França pelo norte. No dia 28 a Bélgica rendeu-se e o rei Leopoldo III organizou um governo no exílio, em Londres. A Alemanha anexou Luxemburgo no dia 6 de agosto.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET