HISTORIANET

América Colônia

A crise colonialismo espanhol

Segundo o professor Celso Furtado, pode-se dividir os três séculos de exploração espanhola sobre a América em dois períodos. Nos primeiros 150 anos a metrópole impôs sua dominação às colônias: escravizou ou dizimou os indígenas, promoveu grande exploração das riquezas minerais e desenvolveu centros de colonização que serviram de elementos condensadores da empresa colonizadora -- Havana, México e Peru, inicialmente.



Nesta fase a classe dominante era formada por homens ligados aos interesses espanhóis, os chapetones, o que explica o crescimento de alguns centros urbanos, da vida cultural e inclusive de universidades.

Nos 150 anos posteriores, após a metade do século XVII, a situação inverteu-se: declínio da produção mineradora, menor pressão sobre a população colonial, desenvolvimento de interesses regionais, específicos, fortalecendo as elites locais, principalmente agrárias, mas também grupos mercantis.

As Transformações

A partir do século XVIII a Espanha conheceu um processo de mudanças, refletindo a decadência da até então "grande potência", que pode ser percebido a partir desses elementos:



  • A decadência da mineração nas colônias;
  • O predomínio comercial inglês;
  • A Guerra de Sucessão Espanhola.

    O esgotamento das principais jazidas no México e Peru ocorria desde o século XVII, privando a Espanha de sua principal fonte de riquezas, e grande parte dos metais preciosos extraídos não se acumulavam na metrópole devido às várias guerras nas quais a Espanha se envolvera.

    A vitória inglesa na Guerra de Sucessão Espanhola e a imposição do Tratado de Utrechet (1713) determinou a ascensão de Felipe V, Bourbon, que abdicou dos direitos que possuía na França.

    Esta situação favoreceu a Inglaterra também do ponto de vista comercial já que passou a ter o direito de asiento -- direito de fornecimento anual de escravos africanos as colônias; e o permisso -- venda direta de produtos manufaturados para as colônias espanholas. Começava a ruptura do pacto colonial.

    No decorrer do século novas transformações ocorreram: o sistema de frotas anuais foi abolido permitido às colônias realizarem o comércio entre seus portos e foi extinto o sistema de Porto Único na metrópole. Essa política metropolitana refletia uma tentativa de adaptar o sistema colonial a nova realidade, na qual a Espanha deixara de ser potência hegemônica e passava a sofrer a influência de outras nações; no entanto pretendia manter o controle Filipe V retrato de Michel-Ange Houasse sobre as colônias e aumentar o lucro da burguesia e do próprio Estado.

    Em contraposição, o aumento da influência inglesa criou condições para o desenvolvimento de novas relações comerciais, contrariando o pacto colonial e consequentemente possibilitou a formação de uma mentalidade liberal -- influenciada pelos ideais iluministas -- fazendo com que parcela significativa da elite se distanciasse da metrópole.

    As reformas, que a princípio favoreceram a burguesia espanhola, a médio prazo comprometeriam o colonialismo.

    O fim do colonialismo

    Do ponto de vista metropolitano, o esgotamento do Sistema Colonial pode ser percebido no início do século XIX, época das Guerras Napoleônias, porém a Europa vivia a crise do Antigo Regime décadas antes e os efeitos da Revolução Industrial e da Revolução Francesa se faziam sentir nos países metropolitanos e foram decisivos para o movimento de independência.

    O avanço dos ideais iluministas teve grande importância tanto na metrópole, onde o questionamento do absolutismo colocou o colonialismo em cheque, quanto nas colônias, que passaram a defender a liberdade perante a Espanha.

    A invasão das tropas de Napoleão também contribuíram para a difusão do liberalismo, apesar de governar a França de forma ditatorial, o imperador representava a burguesia de seu país e o próprio ideal da Revolução.
  • Pesquisar em
    1128 conteúdos

    Notícias

    MASP

    Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

    Notícias

    Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

    Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

    Roteiros de Aula

    Ninguém tira Zero

    Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

    Notícias

    França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

    Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

    COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

    PRODUZIDO POR

    SOBRE O HISTORIANET