HISTORIANET

Atualidades

A morte de Milosevic

INTRODUÇÃO

No dia 23 de junho de 2001 o governo da Iugoslávia autorizou a colaboração do país com um tribunal internacional criado em 1993 pelo Conselho de Segurança da ONU para crimes ocorridos nos territórios da ex-Iugoslávia. Cinco dias depois, o ex-ditador Slobodan Milosevic era extraditado para sede do tribunal, em Haia, na Holanda, para ser julgado por crimes contra a humanidade.
Além de se fazer justiça sobre os crimes racistas, promovidos há cerca de dez anos por Milosevic, sua extradição torna-se um acontecimento histórico marcante nesse começo de século, por tratar-se do primeiro líder europeu a ser julgado por crimes de guerra desde que os tribunais de Nuremberg (Alemanha) e Tóquio (Japão) foram instalados após a Segunda Guerra Mundial. Naquela ocasião, entre 20 de novembro de 1945 e 1 de outubro de 1946, um tribunal militar internacional instalado em Nuremberg julgou 24 membros do partido e do governo nazista e oito organizações acusadas de crime de guerra. O veredicto permitiu à ONU definir o crime como genocídio, resultando na condenação de doze acusados à morte por enforcamento, sete à prisão, além da condenação de quatro organizações.

O TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PARA EX-IUGOSLÁVIA

O Tribunal Penal Internacional para Ex-Iugoslávia foi criado em maio de 1993 pela resolução 827 do Conselho de Segurança da ONU. Sediado na cidade de Haia, na Holanda, trata-se do primeiro organismo internacional para crimes de guerra desde o tribunal de Nuremberg.
Segundo a resolução 827 do Conselho de Segurança da ONU, todos os Estados são totalmente obrigados a colaborar com o tribunal, que tem jurisdição sobre indivíduos responsáveis por crimes contra a humanidade, crimes de guerra e genocídio desde 1 de janeiro de 1991 em todo território da ex-Iugoslávia, o que corresponde hoje aos Estados da Eslovênia, Croácia, Bósnia, Macedônia e a atual Iugoslávia, formada por Sérvia e Montenegro.
Atualmente 39 pessoas indiciadas encontram-se no centro de detenção do tribunal. Porém, ainda continuam foragidos 37 suspeitos de crime de guerra sendo que 19 já foram considerados culpados e dois inocentados.

AS ACUSAÇÕES
A ONU vem denunciando as atrocidades de Milosevic desde maio de 1999, acusando-o e de expulsar os kosovares de origem albanesa da Província sérvia de Kosovo e de assassinatos em massa ocorridos nos vilarejos de Racak, Bela Crkva e Velika Krusa.
Segundo Carla Del Ponte, principal promotora do tribunal da ONU, existe ainda uma nova acusação por crimes autorizados pelo ex-ditador na Croácia e principalmente na Bósnia, na primeira metade da década de 1990, onde a política sérvia de "faxina étnica" assassinou milhares de pessoas no bombardeio de Serajevo e em massacres como o de Srbrenica. A promotora, também vem insistindo na prisão de outros 38 criminosos de guerra, entre os quais estão quatro ex-assessores de Milosevic e os líderes sérvios da Bósnia Radovan Karadzic e Ratko Mladic, que indiciados pela primeira vez há seis anos e agora também acusados de genocídio, encontram-se foragidos. Karadzic desloca-se constantemente e está muito bem protegido na República Srpska, a República Sérvia da Bósnia, onde o premiê Mladen Ivanic, afirmou estar disposto a colaborar com o tribunal da ONU no sentido de prendê-los, para que também sejam enviados para Haia.

foto publicada pela Folha de São Paulo (France Presse)

A PROMOTORA DO TRIBUNAL DA ONU Carla Del Ponte


As denúncias poderão levar Milosevic à prisão perpétua, pois segundo um alto funcionário do tribunal de Haia, as acusações incluem o ato de genocídio, o mais grave crime investigado pelo tribunal. No dia seguinte à extradição, foram exumados 74 corpos de duas valas comuns no leste da Sérvia, tratando-se possivelmente de mais um crime ordenado por Milosevic.
Se os crimes na Bósnia e Croácia forem acrescentados à acusação original que diz respeito a Kosovo, o julgamento deverá durar cerca de dois anos. O termo definitivo das acusações sobre a Bósnia e a Croácia deve ser apresentado no máximo até outubro.


QUEM É SLOBODAN MILOSEVIC ?

Ex-funcionário do Partido Comunista na ex-Iugoslávia, Milosevic começou a adquirir poder em seu país, com a lacuna política deixada pela morte do carismático líder comunista Josip Broz Tito em 1980. Assim, Milosevic tornou-se líder do Partido Comunista sérvio em 1986, e nos 13 anos seguintes o mais poderoso homem da Sérvia.
Ao discursar para mais de 1 milhão de sérvios em 1989, no aniversário de seis séculos da batalha do Kosovo contra os turcos, Milosevic já disseminava uma onda de ódio étnico-religioso pela Península Balcânica. Através de um nacionalismo irracional, permaneceu alimentando um revanchismo cego após seis séculos de história, ocasião em que os cristãos foram derrotados pelos turcos otomanos, que estendiam seu império sobre os Bálcãs. Apesar da vitória dos turcos (muçulmanos), o islamismo permaneceu predominante apenas na Bósnia e no Kosovo.
Muito popular no início de seu governo, Milosevic foi eleito presidente da Sérvia em 1990 e reeleito em 1992, para após mudanças constitucionais, tornar-se presidente da Iugoslávia em 1997.
Onze anos depois, visando manter o "tirano dos Bálcãs" no poder, a contagem de votos foi manipulada pelo governo, que anunciou a vitória oposicionista, porém com menos de 50% dos votos. Portanto, haveria um segundo turno marcado para dia 8 de outubro. A oposição reagiu, denunciando a fraude e negando-se a participar do turno final, concedendo um prazo de 24 horas para Milosevic aceitar a derrota. Vendo-se encurralado por uma manifestação que lembrava cenas de uma verdadeira revolução, o Milosevic foi obrigado a reconhecer sua derrota nas eleições presidenciais.
Foram 13 anos de ditadura, que deixaram em quatro guerras, um saldo de mais de 200 mil mortos, dois milhões de refugiados e faxinas étnicas típicas do antigo nazismo.

AS REPERCUSSÕES INTERNAS E EXTERNAS

A pressa das autoridades iugoslavas para extraditar Milosevic, explica-se pela resistência da Corte Constitucional Iugoslava em entregar o ex-ditador, e principalmente pela reunião de doadores internacionais de fundos que, liderada pelos Estados Unidos e pela União Européia, condicionou uma ajuda financeira para Iugoslávia de 1,3 bilhão de dólares, à total colaboração do governo de Belgrado com o tribunal de Haia.
A crise política sobre o governo iugoslavo foi imediata. Apesar de inicialmente posicionar-se contra a extradição de Milosevic, o atual presidente iugoslavo, Vojislav Kosturnica, acabou cedendo às pressões internacionais após o conhecimento de outras atrocidades, como a descoberta de dezenas de valas comuns no Kosovo, supostamente ordenadas pelo ex-ditador. Kosturnica entretanto, tentou agradar um pouco os nacionalistas sérvios, afirmando num segundo momento que a extradição de Milosevic "não podia ser considerada legal nem constitucional". Enquanto o presidente criticava a decisão tomada pelas autoridades reformistas da Sérvia, o primeiro-ministro sérvio Zoran Djindjic, defendeu a entrega de Milosevic, como sendo "o melhor para o país", já que além de punir atrocidades racistas, a Iugoslávia, isolada e sem dinheiro receberia uma vultuosa ajuda financeira de 1,3 bilhão de dólares.


foto publicada pela Folha de São Paulo (France Presse)


A situação política da Iugoslávia agravou-se no dia seguinte à entrega de Milosevic, com a renúncia do primeiro-ministro da Iugoslávia e líder dos socialistas de Montenegro Zoran Zizic, o que provocou a queda do governo federal em protesto à entrega do ex-ditador.

foto publicada pela Folha de São Paulo (Associated Press)

Simpatizantes de Milosevic fazem protesto em Belgrado


As reações externas também foram polarizadas, pois enquanto a Rússia acusava o Ocidente de usar a ajuda financeira para "obter seus fins", o chanceler alemão, Gerhard Schoröder, afirmava que a Iugoslávia precisava de ajuda internacional.


A SECESSÃO DA ANTIGA IUGOSLÁVIA

A queda de Milosevic representa o apogeu do processo de crise nacionalista que se instalou nos Bálcãs iugoslavos desde a falência do socialismo no leste europeu. Nessa conjuntura reinicia-se uma onda de movimentos separatistas nas repúblicas que desde o fim da Primeira Guerra Mundial formavam a frágil Iugoslávia, sob liderança da Sérvia.
Em 1990 Croácia e Eslovênia decidiram abandonar a Federação, iniciando o longo processo de guerra civil devido à resistência sérvia ao separatismo. Dois anos depois era a vez da Bósnia-Herzegovínia, majoritariamente muçulmana e por isso, odiada pelos nacionalistas sérvios, que haviam sofrido os horrores do imperialismo otomano (muçulmano) entre os séculos XIV e XIX. O separatismo bósnio, foi o mais violento no processo de esfacelamento do país. Somente no massacre de Srebrenica em 1995, cerca de 10 mil civis muçulmanos foram mortos por soldados sérvios. Mas o pior capítulo ainda estava por acontecer.
Entre 1998 e 1999, o separatismo kosovar provocava a mais violenta reação dos sérvios, responsável por centenas de milhares de mortos, em sua maioria muçulmanos kosovares de origem albanesa. A delicada situação somente foi contornada com a intervenção da OTAN que expulsou os sérvios do Kosovo. Liderada pelos Estados Unidos, a ofensiva durou 78 dias e deixou um saldo de 8 mil mortos, além de prejuízos que somaram mais de US$ 100 milhões.

BÉLGICA PODE JULGAR SADDAM HUSSEIN E ARIEL SHARON

A Bélgica está se tornando uma esperança para atrocidades "esquecidas" pela ONU. Uma lei de 1993 permite que o país julgue crimes internacionais, não importando a nacionalidade dos acusados e nem o local em que os crimes foram cometidos. O massacre de tutsis em Ruanda (1994), já levou duas freiras à condenação em Bruxelas. O ditador iraquiano Saddam Hussein pode ser o próximo, já que em 30 de junho de 2001, um juiz belga iniciou investigações acatando denúncias feitas por seis sobreviventes entre as centenas de curdos massacrados após a Guerra do Golfo (1991).
O mesmo pode acontecer com o líder de extrema direita e atual primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, o principal responsável pelo massacre de mais de 2000 civis palestinos em Beirute nos campos de refugiados de Sabra e Chatila em 1982. Na época, ministro da defesa, Sharon que, três dias antes do massacre, havia assumido o controle da parte oeste da capital libanesa onde se encontravam os acampamentos, liberou o avanço das milícias cristãs aliadas de Israel no Líbano, contra os campos palestinos. Em Israel a indignação foi considerável, promovendo manifestações de rua seguidas da criação de uma Comissão de Inquérito que atribuiu responsabilidade apenas indireta de Sharon nos massacres, o que entretanto, o induziu a abandonar o ministério em fevereiro do ano seguinte. Em 1984 porém, Sharon passa a ocupar o cargo de ministro do Comércio, sendo eleito primeiro ministro de Israel em fevereiro de 2001.


foto publicada pela Folha de São Paulo (Associated Press)



ABAIXO DA GRAVURA VAI: Ariel Sharon e acima à direita: foto publicada pela Folha de São Paulo (France Presse)


Sobreviventes de uma família dizimada pela chacina já encaminharam um pedido de denúncia contra Sharon, que deve ser aceito pela justiça belga.


QUAL O CRITÉRIO ?

Qual o critério estabelecido para que um ato seja considerado crime contra a humanidade ou uma prática de genocídio? É o critério da "história dos vencedores", das potências hegemônicas.
Os vários episódios que envolvem os Estados Unidos são claros nesse sentido. Se por um lado, a política interna norte-americana é marcada pela transparência, chegando até a condenar e derrubar presidentes, na política externa a história é bem diferente.
Até hoje o mundo fica estarrecido com a lembrança das bombas atômicas de Hiroxima e Nagasaki. Como devemos considerar esse ato insano dos Estados Unidos no final da Segunda Guerra Mundial que provocou a morte indiscriminada de pelo menos 180 mil japoneses, quando era de conhecimento que as vítimas seriam majoritariamente civis, cidadãos comuns, já que nenhuma das duas cidades era alvo militar muito importante?
Se na época o tribunal de Nuremberg condenou lideranças nazistas por prática de genocídio, porque posteriormente não foram instalados outros tribunais, para outros crimes tão repulsivos?
A resposta não é tão difícil. Quando os interesses das potências dominantes do cenário histórico mundial estão em jogo é encontrada uma forma de camuflar, esquecer ou distorcer a verdade histórica.
Por quantas vezes os Estados Unidos utilizaram o famigerado poder de veto no Conselho de Segurança da ONU para encobrir atrocidades cometidas por seus aliados conjunturais ou estratégicos, como as ditaduras militares da América Latina entre os anos 1960 e 1980 e Israel?
Infelizmente, na história mais recente da segunda metade do século XX, encontramos uma série de outros atos que, com o aval ou no mínimo conivência de governos supostamente democráticos, podem ser considerados como crimes contra a humanidade e prática de genocídio, encaixando-se nas mesmas acusações que recaem sobre Milosevic.
Torna-se assim, extremamente relevante, que num momento como esse, todos aqueles que repudiam esse tipo de ato medonho, não permaneçam insensíveis frente a tantos outros crimes. Não se trata de retaliação, mas apenas de regatar a memória histórica naquilo em que a mesma foi amputada: a verdade a justiça e a transparência dos fatos, em favor de um mundo mais democrático e pluralista com respeito à autodeterminação dos governos e dos povos.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET