HISTORIANET

Atualidades

Conferência contra o Racismo

A Conferência contra o Racismo, a Xenofobia, a Discriminação e a Intolerância realizada na cidade de Durban (África do Sul), entre 31 de agosto e 8 de setembro de 2001, está sendo qualificada como decepcionante, por uma parcela significativa das delegações que participaram do encontro, notadamente pelos países africanos, árabes e muçulmanos. A conferência contou com a participação de 170 países visando denunciar e combater as formas atuais de discriminação racial, étnica, religiosa e de qualquer gênero.
As questões responsáveis pelos debates mais delicados e calorosos, disseram respeito ao Oriente Médio, onde os países árabes tentaram incluir no documento final a acusação de práticas racistas e discriminatórias de Israel contra os palestinos, o que não foi aceito pelos Estados Unidos, pela União Européia e por Israel. Após um momento de crise diplomática na conferência com o abandono de Estados Unidos e Israel, chegou-se a um texto final que não fez referências às práticas discriminatórias por parte de Israel, mas reconheceu o direito dos palestinos à autodeterminação e a um Estado independente. Quanto à escravidão e o tráfico de escravos, o documento considerou-os como crimes contra a humanidade, mas não concordou com o direito a reparações pretendidas pelos africanos.



Selo comemorativo da Conferência contra o racismo


O consenso esperado para aprovação do texto ficou enfraquecido, já que apenas 99 dos 173 países que participaram do encontro acompanharam a seção plenária final, que elaborou dois documentos: uma declaração de princípios e um plano de ação contra o racismo.



A DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS

O acordo sobre os fatos do passado
* A conferência reconhece que a escravidão e o tráfico de escravos são crimes contra a humanidade e deveriam sempre ter sido assim; reconhece que estão entre as fontes de racismo e discriminação.
* O colonialismo levou ao racismo e a conferência reconhece o sofrimento causado por ele.
* O apartheid (regime de segregação racial sul-africano) e o genocídio foram crimes contra a humanidade.
* A conferência reconhece e lamenta o sofrimento causado pela escravidão, o tráfico escravo, o apartheid, o colonialismo e o genocídio.
* A conferência nota que alguns Estados tomaram a iniciativa de se arrepender, expressar remorso ou pedir desculpas, e pede àqueles que não contribuíram para restaurar a dignidade das vítimas que encontrem caminhos para faze-lo. Ciente da Obrigação moral dos Estados envolvidos, exorta os Estados a tomarem medidas apropriadas e efetivas para reverter as conseqüências.
* A conferência reconhece que as injustiças históricas contribuíram inegavelmente para a pobreza e o subdesenvolvimento. Reconhece a necessidade de desenvolver programas para o desenvolvimento econômico e social das sociedades afetadas, com parcerias nas seguintes áreas:
- alívio das dívidas;
- erradicação da pobreza;
- acesso ao mercado;
- transferência de tecnologia;
- investimento em saúde e no combate à aids;
- restituição de objetos de arte e históricos a partir de acordos bilaterais.

O acordo sobre o Oriente Médio
* O holocausto nunca deve ser esquecido.
* Reconhece com preocupação o aumento do anti-semitismo e da islamofobia em várias partes do mundo, bem como a emergência de movimentos baseados em idéias discriminatórias contra judeus, muçulmanos e árabes.
* Mostra preocupação com as dificuldades dos palestinos nos territórios ocupados por Israel, reconhecendo o direito inalienável dos palestinos à auto-determinação e ao estabelecimento de um Estado independente; reconhece o direito à segurança de todos os Estados da região, incluindo Israel.
* Reconhece o direito dos refugiados de voltarem livremente para suas casas e propriedades em segurança.
* Pede aos Estados que reconheçam a necessidade de conter o anti-semitismo, o anti-arabismo e a islamofobia no mundo.
* Pede o fim da violência no Oriente Médio e a retomada do processo de paz israelo-palestino.


Ao tentar atenuar os problemas gerados pelo escravismo e pelo colonialismo a conferência não condenou esse último como crime contra a humanidade, o que era reivindicação dos países africanos e asiáticos. As críticas do documento final ao colonialismo, afirmam apenas que o mesmo, "levou ao racismo e causou sofrimento" e que isso deve ser lamentado e evitado. A União Européia destaca no documento que, "...alguns membros da comunidade internacional tomaram a iniciativa de se arrepender, expressar remorso ou apresentar desculpas", e pede aos que ainda não contribuíram para restaurar a dignidade das vítimas, que encontrem caminhos apropriados parta fazê-lo.
Segundo a Comissão Internacional pela Eliminação de Todo Tipo de Discriminação Racial, considera-se crime "qualquer tipo distinção, exclusão, restrição ou prejuízo baseado em raça, cor, descendência ou em origem étnica ou nacional que tem como objetivo ou efeito anular ou prejudicar o reconhecimento, o gozo ou o exercício, em bases iguais, dos direitos humanos e das liberdades fundamentais nos planos político, econômico, social, cultural ou em qualquer outro campo da vida pública". Nesse sentido, o sionismo, como doutrina do Estado de Israel, assim como a ação desse Estado na ocupação dos territórios palestinos, corresponde a uma postura claramente racista já que Israel possui leis que patrocinam o retorno dos judeus, reservando terras exclusivamente para eles, assumindo-se efetivamente como um Estado baseado em critérios biológicos, em detrimento dos não-judeus, no caso os palestinos, considerados cidadãos de segunda categoria dentro de Israel, ou submetidos as mais diversas formas de opressão nos territórios ocupados da Cisjordânia, Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental.
Os países africanos tentaram aprovar uma proposta de reparação pelos abusos da escravidão. O máximo que conseguiram foi a postura moderada, conciliatória e timidamente crítica, da União Européia, Estados Unidos e aliados, no lugar de um posicionamento mais transparente na condenação ao escravismo, ao colonialismo, e ao racismo. Essa postura acabou por frustrar as esperanças de todos os povos que acreditavam que as conferências de caráter humanitário não estavam atreladas aos interesses das nações hegemônicas. Não é de se estranhar que os mesmos países que apóiam o ressarcimento aos judeus pelo holocausto, não apóiam reparações a negros e povos indígenas. O documento final não incluiu um pedido explícito de desculpas por parte de europeus e norte-americanos pela escravidão de negros e índios e pelo colonialismo e muito menos fez referência a alguma forma de reparação. Limita-se apenas a utilizar o termo "medidas efetivas para reverter as conseqüências" dos atos do passado.
A participação da delegação brasileira deu-se com o encaminhamento de propostas sobre a realidade de negros, índios e homossexuais, destacando-se a criação de um sistema de cotas para assegurar aos negros brasileiros 20% das vagas nas universidades públicas. Essa iniciativa gerou uma grande polêmica, sendo rejeitada pelo governo, que em seu lugar defende a criação de cursos pré-vestibulares dirigidos aos negros.
Apesar dos resultados mais concretos da conferência terem sido decepcionantes para todos aqueles que sofreram e ainda sofrem com as várias formas de escravidão e colonialismo, é inegável a importância da realização de uma conferência contra o racismo e práticas similares, nessa virada de século marcada por tantos atos de discriminação, xenofobia e "faxinas étnicas" em todo mundo, com o agravante mais recente, que diz respeito ao racismo sobre muçulmanos e árabes em geral, que tende a se agravar após os atentados terroristas de 11 de setembro nos Estados Unidos.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET