HISTORIANET

Brasil República

Caçando ratos

A Prefeitura de Nova Iguaçu (RJ) adotou um programa peculiar para combater a proliferação dos ratos na cidade: decidiu pagar a população para caçar os roedores. R$ 5,00 o quilo. Na História do Brasil, não é uma novidade.
No governo Campos Salles (1898 1902) foi criado o Instituto de Manguinhos, com a função de fabricar vacinas contra a peste bubônica. Para dirigi-lo, a prefeitura da capital federal oficiou ao Instituto Pasteur, de Paris, solicitando a indicação de um especialista. Esperava-se naturalmente um francês, mas o célebre Emile Roux, diretor do Pasteur, respondeu indicando o nome de um "brilhante discípulo seu": Oswaldo Gonçalves Cruz, paulista de São Luís do Paraitinga. Mesmo não tendo alcançado os 30 anos e completamente desconhecido no Brasil, Oswaldo Cruz já granjeara uma sólida reputação científica. Dirigiu Manguinhos até 1902, quando Rodrigues Alves foi busca-lo para sanear o Rio de janeiro. Aceitando o convite, o incansável Oswaldo Cruz prometeu erradicar a febre amarela em um período de três anos.



Oswaldo Cruz


Mas primeiro atacou outro ponto: a peste. Para combate-la, criou um esquadrão de cinqüenta homens devidamente vacinados, que percorriam armazéns, becos, cortiços e hospedarias, espalhando raticida e mandando remover o lixo. Para completar criou um novo cargo, o de comprador de ratos. Este funcionário percorria as ruas da cidade, do centro e dos subúrbios, pagando 300 réis por rato apanhado pela população. Assim a curto prazo desapareceram os ratos e as epidemias.
Na verdade, a eliminação dos ratos e da peste, insere-se num contexto de transformações que envolveram a capital do Brasil durante o início do século XX.



Charge sobre a política de Oswaldo Cruz


Veja essa descrição sobre o Rio de Janeiro:

"Em 1900, a cidade ainda guarda o cunho desolador dos velhos tempos do rei, dos vice-reis e da; governadores", com ruas estreitas, vielas sujíssimas, becos onde se avoluma o lixo. O novo regime não teve ainda tempo para modernizar o Rio. Mesmo as artérias principais (Ouvidor, Ourives, Uruguaiana. Gonçalves Dias, 1.° de Março) são muita pouco espaçosas. E as outras ruas, mais distantes do centro, como as que cercam o largo da Misericórdia, não passam de vielas
curvas e malcheirosas.

Nas praças mais amplas, quase não existem árvores, permitindo que o sol torne abrasador o calçamento de paralelepípedos e os passeios de lajes altas. Pavimento e calçada apresentam-se esburacados.
Dentro das sobrados centenários, remanescentes ou cópias dos tempos coloniais, as senzalas do rés-do-chão se transformam em bares, lojas e oficinas. Sem esgoto e sem janelas nos quartos, os outros andares dos sobrados do centro da cidade são um "dédalo de
corredores e alcovas". (Luiz Edmundo - jornalista)

"Por ruas de muito movimento, que ligam bairros, esticando-se para as Laranjeiras ou São Cristóvão, um par de trilhos cruza o calçamento. São os bondinhos. Alguns são elétricos, que desde 1892 fazem a linha entre o Flamengo e a Carioca: a imprensa afirma: os "nossos elétricos, que, sem o menor favor, são os melhores do mundo..." Mas a maioria dos veículos, chacoalhando ferragens, velhos e incômodos, ainda é puxada pelo tradicional par de burrinhos.
Afora os bondes, o tráfego da cidade constitui-se de raros caleches e charretes, e mais freqüentes carroças puxadas por um ou dois cavalos. Mais comuns ainda são os carros puxados por braços humanos. As ruas estão cheias de vendedores; alguns puxam pela calçada carroças, com mercadorias: são os "burros-sem-rabo". Nas carroças, no lombo dos animais, nas costas ou nos braços, homens e mulheres, antigos escravos, imigrante; portugueses, alemães, turcos vão trazendo suas mercadorias. Passa o leiteiro conduzindo atrás de si uma vaca tuberculosa e um bezerro faminto. e o vendedor de aves, as galinhas presas em cestos atados a um burro: cabo de vassoura às costas para equilibrar a carga, vêm o cesteiro, o ceboleiro. o papeleiro, o verdureiro; um oferece mocotó, o outro doces; um negro traz carvão, ou sorvete; as mulheres vendem doces ou miudezas. A cidade é uma imensa feira."



O Rio de Janeiro no início do século XX


Francisco de Paula Rodrigues Alves, antigo conselheiro do Império e poderoso cafeicultor paulista, foi eleito presidente a assumiu em 1902. Seu período de governo ficaria conhecido como o "Quadriênio Progressista". Se por um lado existe a influência da noção de progresso oriunda do positivismo, por outro, mostra a preocupação dos governantes em abrir as portas do país para os investimentos estrangeiros, principalmente em setores financeiros e de serviços, que poderiam, direta ou indiretamente, beneficiar a produção e exportação de café. No discurso de posse, Rodrigues Alves destacou o "amparo a produção, estímulo à imigração e ocupação dos solos férteis, incremento dos transportes e proteção à entrada de capitais (...) aos interesses da imigração, dos quais depende em máxima parte o nosso desenvolvimento econômico, prende-se a necessidade de saneamento desta capital, trabalho sem dúvida difícil porque se filia a um conjunto de providências, a maior parte das quais de execução dispendiosa e demorada."
O novo presidente assumiu em novembro de 1902 e contou com o fato de as finanças estarem relativamente equilibradas (graças a política de "saneamento financeiro" adotada por Campos Salles). Desde dezembro preocupou-se com o saneamento do Rio de Janeiro. Em janeiro de 1903 Pereira Passos foi nomeado como prefeito do Rio de Janeiro, e em março era a vez de Oswaldo Cruz assumir a Saúde Pública.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET