HISTORIANET

Notícias

Edward Said

Herança de Edward Said: mito do 'Oriente' é criação ocidental

Um dos maiores intelectuais palestinos, que morreu nesta quinta-feira (25), aos 67 anos, dizia que as representações do Oriente feitas pelos países ocidentais tinham pouca relação com a realidade. Na política, era defensor da causa palestina, mas acreditava que judeus e árabes deveriam conviver num mesmo país.

André Bueno e Giuliana Napolitano

São Paulo -- Nascido em Jerusalém, berço das três maiores religiões monoteístas do planeta, e "exilado" desde a adolescência nos Estados Unidos - onde construiu uma sólida carreira acadêmica -, Edward W. Said foi com certeza o intelectual palestino de maior renome e influência no mundo.

E sua fama não veio apenas do fato de ter sido o defensor mais ardoroso das causas palestinas em território norte-americano. Foi, também, autor de livros que - mesmo tratando da temática árabe e "oriental" - não perdiam seu caráter universal, pois mostravam os mecanismos de dominação e de montagem de imagem que são e foram aplicados em todos os povos colonizados.

Edward Said morreu ontem, aos 67 anos, vítima de leucemia. O escritor nasceu em 1935, durante o mandato britânico na Palestina, e se mudou para o Cairo, no Egito, em 1947, quando uma resolução das Nações Unidas dividiu a cidade em áreas judaicas e palestinas. Em 1951, emigrou para os Estados Unidos e, desde a década de 1960, lecionava literatura na Universidade de Columbia, em Nova York.

O caráter universal de sua obra é observado na forma como abordou a história de povos colonizados - especialmente do Oriente Médio e da Ásia. Seu trabalho - principalmente o livro "Orientalismo", lançado em 1979 - relançou as bases para pesquisas em disciplinas como Estudos Pós-Coloniais e Teoria Crítica das Raças.

"Orientalismo - o Oriente como invenção do Ocidente" (Companhia das Letras, 1989) se contrapõe às representações do "Oriente" de franceses e ingleses, predominantes até então.

Ao retomar a história dos povos orientais e a forma como suas imagens foram construídas, Edward Said revelou que a representação "ocidental" do que é o "Oriente" tinha pouco a ver com as culturas e os povos que de fato viviam naqueles locais; eram mais uma busca de diferenciação e uma tentativa de justificação do poder colonial do Ocidente sobre o Oriente.

Em outro livro de forte impacto - "Cultura e Imperialismo" (Companhia das Letras, 1995), que dá seqüência à temática de "Orientalismo" -, Said estende a sua análise a outras regiões colonizadas: Índia, África, Caribe, Austrália e outras áreas do planeta em que o "Ocidente" se fez presente seja na forma de imperialismo ou colonialismo formal. Ao fazer isso, revela o poder da cultura na dominação desses povos e as formas de resistência dos colonizados à dominação.

Said era um defensor da causa palestina. De 1977 a 1991, participou ativamente da Conferência Nacional Palestina, uma espécie de parlamento no exílio, como membro não-filiado. A maioria dos integrantes da Conferência pertencia também a outras organizações palestinas - a mais importante delas era a Organização pela Libertação da Palestina (OLP), liderada por Yasser Arafat.

Said foi confidente de Arafat durante anos, mas recentemente se tornou um dos maiores críticos do líder palestino. O estopim da mudança foi o Acordo de Oslo, fechado em 1993 entre a OLP e Israel. Para ele, o acerto foi desfavorável aos palestinos, porque deu à Autoridade Nacional Palestina (ANP) - antiga OLP - poucas terras e pouco controle sobre elas.

O escritor ficou famoso por chamar o acordo de "rendição" dos palestinos, que atrasaria ainda mais a reconciliação entre os dois povos. Ele chegou a pedir a renúncia de Arafat e, por isso, foi chamado de "opositor da paz" e de "pouco realista".

Na verdade, Said acreditava que, com todas as dificuldades, a única solução para palestinos e israelenses seria se os dois povos aprendessem a conviver juntos, num mesmo país, com um regime democrático que desse representação aos dois grupos. Na avaliação do intelectual, não deveria haver territórios separados para israelenses e palestinos.

Além de "Orientalismo" e "Cultura e Imperialismo", Edward Said tem outros três livros traduzidos para o português: "Cultura e Política" (Boitempo Editorial, 2003), "Reflexão sobre o Exílio e Outros Ensaios" (Companhia das Letras, 2003) e "Elaborações Musicais" (Imago, 1991).

Apesar de escrever sobre a temática islâmica, Said era cristão protestante, da Igreja Anglicana, e casado com uma Quaker, grupo protestante presente principalmente nos Estados Unidos. Ele foi casado duas vezes e teve dois filhos - Wadie e Najla
ANBA- AGENCIA DE NOTÍCIAS BRASIL-ÁRABE WWW.ANBA.COM.BR

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET