HISTORIANET

Contemporânea

A Grande Guerra

A Primeira Guerra Mundial é considerada por muitos historiadores como um marco no início do século XX. Foi a partir da Guerra que novas correlações de forças estabeleceu-se no mundo, marcando o declínio da Europa e a ascensão dos EUA à condição de principal potência mundial.
No dia 10 de agosto de 1914, a França declarou guerra ao Império Austro-Húngaro dando início a Guerra.

Antecedentes

O período anterior à Guerra foi caracterizado por uma grande disputa política e por intensa corrida armamentista. As grandes potências imperialistas européias se envolviam em conflitos pelo controle das matérias-primas e dos mercados mundiais, principalmente sobre territórios Afro-asiáticos. O neocolonialismo, também denominado como “a partilha afro-asiática” foi um processo desigual, que implicou no predomínio de ingleses e franceses sobre as novas áreas conquistadas.
O nacionalismo, que havia se fortalecido ao longo do século XIX, foi um dos fatores utilizados pelas nações européias junto as suas populações, aguçando o sentimento de superioridade. Os principais movimentos nacionalistas que se desenvolveram na Europa no início do século XX e que estão relacionados a I Guerra Mundial foram o pan-eslavismo, o pangermanismo e o revanchismo francês.

Pan-eslavismo – Política estimulada pela Rússia, defendia a união de todos os povos de origem eslava da Europa oriental, aproveitando-se da fragmentação do Império Otomano, incluindo os que estão sob domínio do Império Austro-Húngaro.

Pangermanismo – Ideal defendido pelos alemães, propõe a formação de um bloco de países de origem germânica.

Revanchismo francês – O sentimento de revanche se desenvolveu a partir de 1871 quando a França foi derrotada pelas tropas de Bismark, que completam a unificação alemã, tomando as regiões da Alsácia-Lorena, rica em carvão e minério de ferro e coroaram o rei Guilherme I da Prússia imperador alemão em Paris, em 18 de janeiro de 1871 na Sala dos Espelhos do Palácio de Versailles, em Paris.

Crise Balcânica – Os conflitos entre Áustria e Sérvia na península balcânica colaboram para acirrar as diferenças nacionalistas entre os países europeus. Com o apoio da Rússia, os sérvios tentaram conter o expansionismo austríaco. Em 1908 a Áustria anexou a Bósnia-Herzegóvina impedindo que a Sérvia mantivesse sua política de organizar a “Grande Sérvia”, que incorporaria as regiões balcânicas de povos eslavos.

As pretensões austríacas fez crescer os movimentos nacionalistas na região; várias sociedades secretas surgiram para agir contra a Áustria, como a Jovem Bósnia, que pretendiam a criação de um único Estado que envolvesse os povos eslavos da região e para isso julgavam necessário eliminar a política imperialista dos austríacos.
Francisco Ferdinando, herdeiro do trono austríaco, resolveu ir à Bósnia no final de junho de 1914 e ao desfilar em locais públicos sem um esquema espacial de segurança, foi alvo fácil de um atentado que serviu para agudizar as tensões existentes, já que colocava o governo da Sérvia sob suspeita.




O estudante bósnio cristão Gavrilo Prinzip fere mortalmente o arquiduque Francisco Fernando e sua esposa, quando visitavam Sarajevo, capital da Bósnia-Herzegovina



O atentado de Sarajevo é considerado o estopim para o início da Grande Guerra, devido ao sistema de alianças que se havia formado no período anterior, pois, apoiada pela Alemanha, a Áustria deu um ultimato à Sérvia para que o incidente fosse por uma comissão mista. Os sérvios rechaçaram tal exigência, ao mesmo tempo em que a Rússia mobilizava suas tropas, aliando-se à Sérvia. Ao mesmo tempo os alemães reagiram a essas manobras e exigiram a neutralidade da França. No dia 28 de junho a Áustria declarou guerra à Sérvia, levando ao confronto direto os países dos dois blocos.

Marrocos – A crise do Marrocos envolveu diretamente os interesses da França e da Alemanha, que disputavam domínios coloniais no norte da África. Uma conferência internacional em 1906 decidiu que território marroquino pertencia à França e cedeu uma pequena faixa no litoral sudoeste da África à Alemanha. A tensão chega a um novo clímax em 1911 quando a Alemanha envia um navio de guerra ao porto marroquino de Agadir, controlado pela França, provocando uma crise internacional. Após retirar sua tropa, a Alemanha acaba recebendo da França parte do território do Congo.

O sistema de alianças

O aumento das tensões podia ser verificado desde o final do século XIX. Os países europeus procuravam então organizar os exércitos, produzir armamentos e fazer acordos entre si para garantir força na disputa.

Tríplice Aliança - Reunia o Império Alemão, o Império Áustro-Húngaro e a Itália, desde 1882, com o objetivo de enfrentar o expansionismo francês na Europa.
Iniciada a Guerra, a Itália declarou-se neutra e posteriormente apoiou a França, o Império Otomano aliou-se a Alemanha e por suas rivalidades com a Rússia. A Bulgária, que tinha grandes interesses na Península Balcânica, também se alia à Alemanha.

Tríplice Entente - Tem por base a Entente Cordiale, formada em 1904 pela Grã Bretanha e pela França para opor-se ao expansionismo alemão. Em 1907, com a adesão da Rússia, ela se transforma na Tríplice Entente. Durante a guerra, outras 24 nações incorporam-se à Entente, formando uma ampla coalizão chamada de Aliados.

As fases da Guerra

A guerra é dividida normalmente em dois grandes períodos

1) GUERRA DE MOVIMENTOS; ou seja, durante os primeiros meses da guerra, até o início de 1915, a característica marcante foi o deslocamento constante das tropas, o que, em princípio, parece lógico para uma guerra. Os principais ataques foram realizados pela Alemanha que procurou neutralizar os russos na frente oriental enquanto avançou sobre a França no lado ocidental. O avanço sobre a França foi fulminante, a partir da tática definida no Plano Schliffen, ocupando primeiro a Bélgica, para penetrarem em território francês pelo norte. A invasão da Bélgica foi usado pela Inglaterra como pretexto para entrar na Guerra. Ao mesmo tempo, ingleses e franceses lançaram uma ofensiva na África, tomando territórios da Alemanha.
Vale lembrar que a Itália, até então aliada da Alemanha e Áustria, declarou-se neutra e não participou da guerra nesta primeira fase.



2) GUERRA DE TRINCHEIRAS; é reflexo de uma situação de equilíbrio de forças, fazendo com que os exércitos procurassem garantir suas posições, preparando novas conquistas. Esse foi um longo período, até 1917, caracterizado por grande desgaste: elevada mortalidade, grande destruição, elevados gastos financeiros. Na tentativa de conseguir vantagens, os países envolvidos na guerra procuraram desenvolver novos armamentos ( canhões de longo alcance, tanques, aviões, submarinos....) criando novas tecnologias eu pudessem ser aplicadas na guerra. Em 1915 os italianos entraram na Guerra junto aos aliados, com a promessa de que receberia parte das colônias alemãs. A situação da Itália na guerra deve ser destacada, para compreendermos posteriormente seus maiores problemas.
Resistiu até 1917,quando teve seu território invadido pela Áustria, provocando grande destruição, principalmente no norte, área mais povoada e desenvolvida.O ano de 17 marca mudanças importantes, quando os alemães passaram a utilizar a guerra submarina. Os ataques a navios mercantes norte americanos foi usado como pretexto para o Ingresso dos EUA na Guerra.
Muitos consideram que o ingresso norte americano foi fundamental para o fim do conflito, porém é importante lembrar que os EUA estiveram até então como observadores, não havia guerra na América e a industria do país crescia em ritmo muito acelerado.
Nesse ano ainda a Rússia sai da guerra devido a ascensão dos bolcheviques ao poder. A decisão unilateral fez com que a Alemanha invadisse o território russo, no entanto, em março de 1918 os dois países assinaram o Tratado de Brest-Litovski selando o fim da guerra entre ambos.

O FINAL DA GUERRA

Os alemães procuraram jogar todas as suas forças na frente ocidental, porém começava a ficar isolada, comprometendo o abastecimento do país. A derrota da Turquia e da Bulgária comprometeu o transporte de produtos para a Europa Central. Em setembro de 1918 as forças aliadas desfecharam uma grande ofensiva contra os alemães, que foram obrigados a recuar. No interior do país aumentava o descontentamento e as pressões sobre o Imperador, que acabou por abdicar.
A Alemanha assina o armistício com os Aliados em 11 de novembro de 1918, depois de uma revolução conduzida por social-democratas (socialistas) e comunistas ter proclamado a República no dia 9. Os Aliados impõem condições bastante duras para aceitar a cessação de fogo.
A Conferência de Paz de Paris, reuniu todos os países beligerantes, exceto a Rússia. Durante seus trabalhos, a Itália, insatisfeita em suas pretensões coloniais, retirou-se. Em junho, Estados Unidos, França e Inglaterra, denominados os “Três Grandes” impuseram à Alemanha o Tratado de Versalhes, com pesadas cláusulas territoriais, militares e financeiras. Nos meses subseqüentes, outros tratados são impostos à Áustria, Bulgária e Hungria. Esses tratados criam graves problemas para o futuro, pois colocam várias minorias étnicas dentro das fronteiras de alguns dos novos Estados surgidos na Europa.

Pesquisar em
1123 conteúdos

Livros

PROMOÇÃO

o HISTORIANET e a Editora M Books do Brasil sorteiam o livro...

Notícias

Guerra e Paz

Exposição relativa à obra de Portinari exposta no Memorial da América Latina

Notícias

Exposição no Rio de Janeiro

Modigliani - Imagens de uma vida; no Museu Nacional de Belas Artes

Notícias

Fórum Mundial de Educação

Evento que se realizará em Florianópolis já tem mais de 9 mil inscritos

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET