HISTORIANET

Notícias

Intifada faz três anos

Intifada faz 3 anos: 2.612 palestinos e 822 israelenses mortos. A Segunda Intifada completou seu terceiro aniversário em um momento crítico para o conflito do Oriente Médio. Depois de 36 meses de rebelião palestina -- dos quais 31 sob o governo Ariel Sharon --, o número de mortos sobe a 3.497, dos quais 2.612 palestino e 822 israelenses, segundo um levantamento da agência France Presse. O número de feridos é mais difícil de estabelecer: seriam mais de 20 mil palestinos e de 5 mil israelenses.

O desalento de Annan

Na sexta-feira passada, uma reunião do "Quarteto" (EUA, União Européia, Rússia e ONU), fiador do "Mapa do Caminho" lançado pelo presidente George W. Bush no dia 4 de junho durou apenas uma hora. E contentou-se em expressar o desejo de que o "Mapa" tenha uma "aplicação rápida".
Mesmo o sempre ultracauteloso Kofi Annan, secretário-geral da ONU, não escondeu sua irritação com esse resultado. "Medidas audaciosas na linha do 'Mapa do Caminho' parecem necessárias atualmente. Os pequenos passos não funcionaram. E é pouco provável que funcionem no futuro", comentou Annan.

Em Israel, situação paradoxal

Dentro de Israel, Sharon e seu governo de direita conservam ainda uma assombrosa popularidade.
É uma situação paradoxal. Uma pesquisa divulgada sexta-feira pelo jornal Yediot Aharonot mostre que a situação é "desesperadora" para 43% dos israelenses, "nem desesperadora nem encorajadora" para 39% e "encorajadora" para apenas 18%. E apesar de 73% considerarem que o Estado "não oferece um futuro garantido para a nova geração".
Mas, no entanto, os 27 pilotos da Aeronáutica que fizeram uma petição pública pelo fim dos ataques aéreos, por colocarem em risco a população civil palestina, viram-se cercados por um muro de ataques. Nas eleições de janeiro passado, Sharon ampliou sua maioria parlamentar.
Entre outras causas desse reacionarismo renitente e crescente, avulta a aliança das forças de ultra-direita de Israel e dos EUA. Não por acaso coincidem no tempo os reinados de Ariel Sharon e George W. Bush.

A agressão econômica

Talvez não menos mortífera que o conflito armado é a asfixia crescente que os territórios palestinos sofrem: no primeiro ano da Intifada, a economia local recuou 5,4%; no segundo, 15,0% e no terceiro 14,5%. Os efeitos colaterais do conflito contribuíram para isso, mas a causa principal é o bloqueio praticado pelo governo Sharon, que impede o intercâmbio de bens e pessoas, não só com Israel, mas também entre a faixa de Gaza e a Cisjordânia, e até entre diferentes localidades dentro da Cisjordânia.
O desemprego atinge 30% nos territórios ocupados, com seu pico em certas partes da faixa de Gaza. Mais de 56% das famílias palestinas viram suas rendas caírem pela metade, ou mais, em relação a 1999. Mais da metade dos palestinos vive abaixo do limite de pobreza, com menos de dois dólares por dia.

Resistência heróica

Estes números explicam o porquê do prosseguimento da Intifada, 36 meses depois da provocação de 28 de setembro de 2000 na Esplanada das Mesquitas. E das sólidas bases que possui na população palestina, enquanto a agressão israelense se isola sempre mais na opinião pública mundial.
Pode-se, talvez, questionar algumas das formas que a sublevação palestina assume, em especial as que escolhem como alvo a população civil israelense. Mas não há como não respeitar, admirar e apoiar o heroísmo dos jovens e das crianças que enfrentam os tanques de Israel de estilingue em punho. Não há como não reverenciar a coragem de Iasser Arafat, cercado há 21 meses nos escombros de um prédio de Ramallah, ameaçado de banimento e assassinato, que responde "Somos todos mártires".

Privado de sua terra, humilhado, ofendido, ensangüentado, o povo-mártir da Palestina se agiganta por suas reservas de coragem e esperança, que nenhum crime do ocupante é capaz de dobrar. Elas são a garantia de que, mais dia, menos dia, este povo conquistará seu legítimo direito á vida e á liberdade na terra dos seus antepassados, em um Estado palestino soberano e independente.

http://www.vermelho.org.br/diario/2003/0928/0928_intifada.asp

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET