HISTORIANET

Notícias

Plano Nacional de Educação

O secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, Ricardo Henriques, sugeriu em 3 de outubro, a inclusão dos temas étnico-raciais e a educação ambiental no Plano Nacional de Educação (PNE). A apresentação de Ricardo Henriques foi feita no ciclo de debates promovido pelo Conselho Nacional de Educação, que tem como objetivo avaliar o alcance das metas do PNE e propor correção de rumos.

O ciclo de debates sobre o Plano Nacional de Educação (PNE) abordou todos os níveis da educação básica e as modalidades especial, do campo e de jovens e adultos. Para Ricardo Henriques, mesmo que o país tenha democratizado o acesso à educação, é preciso considerar que a educação nunca foi de qualidade para todos e é neste ponto que residem as razões da evasão e da repetência.

De acordo com o secretário, hoje, o Censo Escolar mostra que, em média, 40% dos que ingressam na primeira série do ensino fundamental não passam para a segunda série e que, nas regiões Norte e Nordeste, esse índice sobe para 65% a 70%.

Quando trata do recorte racial, Ricardo Henriques também mostra a desigualdade na escolaridade entre a população branca e negra. Os brancos têm, em média, 8,4 anos de estudo e os negros e pardos, 6,2 anos. A sugestão que o secretário levou ao conselho é de incorporar ao PNE metas que venham traduzir a democratização com eqüidade e com qualidade, levando em conta os recortes de gênero, orientação sexual e étnico-racial.

Considerações

Na análise do secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, nesta revisão do PNE devem ser consideradas, entre outras coisas, as metas inatingíveis, as metas atingidas de forma equivocada e a inclusão de novas metas. Está entre as metas inatingíveis no prazo do PNE, que é de dez anos (2001-2010), quadruplicar a oferta de educação de jovens e adultos; entre as metas atingidas de forma equivocada está a educação no campo que, para existir, precisa conjugar três fatores: terra, escola e crédito; e para os temas da diversidade, a revisão do PNE deve incluir metas específicas, nem que para isso seja preciso construir um novo capítulo. Para Ricardo Henriques, é consenso no Ministério da Educação que se o país não avançar nesses temas, não há como garantir o acesso, a permanência, a eqüidade e a qualidade.

Debates

O ciclo de debates promovido pelo CNE compreende duas etapas: hoje, 3, o conselho abordou a educação básica - infantil, fundamental, média, tecnológica e formação profissional - e as modalidades especial e de jovens e adultos; e em 27 de outubro a discussão será sobre a formação de professores. Em novembro, ainda sem data marcada, durante o Fórum Brasil de Educação, o CNE vai apresentar o resultado dos debates e entregar ao Ministério da Educação os subsídios recolhidos. No lançamento do ciclo, em 1º de setembro, o conselho debateu a educação superior e a educação a distância.

Com 294 metas, o PNE foi aprovado em 2001, pela Lei nº 10.172/01. O texto prevê uma revisão no quinto ano de vigência, o que está sendo feito pelo Conselho Nacional de Educação, órgão encarregado de acompanhar a execução do Plano.

Fonte: Portal MEC

Pesquisar em
1127 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

Enquete

Você, que fará o vestibular / ENEM neste ano, seguirá para a área:




Desafio Histórico

Atenienses e Espartanos são comparados e se destacam principalmente as diferenças. Pode-se considerar como ponto comum entre os dois povos:



COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET