HISTORIANET

Notícias

Liberdade para ser um pequeno sujeito

Especialista fala sobre as dores e delícias de se educar uma criança
Por Elisa Marconi e Francisco Bicudo


"Para que se deve educar uma criança?" Essa pergunta certamente vem martelando a cabeça de pais e educadores desde o início do que chamamos de civilização humana. Isso porque, em grande parte, aquilo que os adultos ensinam às crianças é o que vai ficar como herança e garantir (ou não) a continuidade das sociedades. Uma das respostas possíveis e desejáveis para a indagação é: "para a autonomia". Ou seja, uma das possibilidades é criar os pequenos para serem, desde sempre, sujeitos de desejos, sujeitos de linguagem e sujeitos capazes de fazer escolhas.

Mas o que parece ser muito simples na teoria pode tornar-se uma grande dificuldade na vida real. Pais e professores - mesmo querendo criar meninos e meninas independentes - às vezes têm medo, ou se atrapalham na tarefa, porque - como toda questão complexa - essa também envolve conflitos, contradições, receios e esperanças.
Leonardo Posternak pode ser considerado um especialista no assunto. Ele é pediatra há mais de 30 anos; não satisfeito com a prática no consultório, atende também no Hospital Albert Einstein, formou-se em psicanálise e, há dois anos, fundou o Instituto da Família, o IFA. Neste tempo todo, e em todas essas frentes, ele vem insistindo numa mesma tecla: "educar é uma dor e uma delícia".

A frase, que acaba pontuando a conversa sobre autonomia infantil, revela logo de cara as contradições que a função traz. Leonardo conta que os pais, os primeiros educadores, desejam ter filhos felizes e independentes, mas morrem de medo de serem abandonados. "Não tem saída, um dia essa criança vai crescer e vai ter seu par, seus amigos, sua própria família". Então, mesmo sem querer, esse receio da perda e do abandono acaba muitas vezes impedindo a família de ver suas crianças como pessoas capazes de fazer escolhas (se sujar, inventar palavras, falar errado, montar de uma maneira inusitada um brinquedo etc.) e de acertar, ou errar com elas.
Aliás, o direito ao erro é um dos pontos mais importantes nesta discussão, porque atinge o âmbito familiar e escolar. Para o pediatra, os meninos e meninas devem poder errar, se frustrar, se entristecer. "Só quem erra, aprende. Só quem erra cresce verdadeiramente", reforça. O problema é que seja em casa, seja na escola, os adultos querem que seus pupilos sejam sempre vitoriosos e espertos e aí tendem a evitar que a criança se decepcione, como se cair do cavalo fosse provocar uma dor insuportável para o pequeno. E os cuidadores fazem de tudo para poupar as crianças.

Mais do que uma tentativa inglória - já que se não for dessa vez, haverá, cedo ou tarde, um momento em que a criança vai mesmo errar e se dar conta disso - esse é um pensamento que deseduca. "Porque crescer é mesmo um processo doloroso", explica Leonardo "e estou falando desde a dor orgânica até a dor psíquica". Ter a dor e percebê-la é um processo que faz parte da vida. Crescer é mudar, e mudar é perder. "Veja o adolescente. O que ele tem a perder? A infância. A paz e os pais da infância. Por isso ele reage. Mas, por outro lado, é só sofrendo que ele vai poder alcançar o outro lado, que é vislumbrar o futuro todo que tem pela frente". E se isso for vivido com inconsciência, o processo torna-se mais pobre do que poderia ser.

Sentimento de culpa
E porque os adultos procuram poupar os meninos e meninas? "Porque eles entendem que o sofrimento é desnecessário e que evitar a dor do filho é uma maneira de se sentir menos culpado", reponde o especialista. E aí entramos na faceta mais atual da questão imemorial da educação. Pais - e às vezes professores também - se sentem devedores em relação às crianças. Porque hoje o tempo é mais curto, o emprego mais instável, a necessidade de dinheiro cada vez maior, a família cada vez menor, enfim, "por todos esses fatores da sociedade moderna que conhecemos bem, morremos de culpa, achamos que estamos sempre aquém das necessidades das nossas crianças e isso gera um problemão", destaca Leonardo, pois "a culpa é a maior inimiga da educação".

Em casa, essa culpa toda faz pais e mães desistirem de ter uma atuação firme e com papéis hierárquicos claros. Eles evitam dizer não e impor limites, com receio de que a criança fique traumatizada. "Aliás, usa-se erradamente o termo. Como se fosse possível uma criança ficar traumatizada porque não ganhou um brinquedo. Trauma é um conceito muito mais profundo e sério do que isso", ensina o pediatra. O problema é que o tiro sai pela culatra. Uma criança que cresce sem limites "fica ainda mais agressiva e desrespeitosa, porque não encontra anteparos para seus questionamentos", conta. Outra possibilidade, na organização familiar, é entupir a criança de tarefas. Assim, o pai e a mãe não estão por perto, porque têm mesmo que trabalhar, mas a criança estará ocupada, fazendo atividades que se entende educativas. A contrapartida dessa agenda de executivo para os mirins é que eles ficam sem tempo para gastar fazendo nada e pensando na sua infância, na sua vida. Sem tempo para processar tudo que está acontecendo à sua volta.

Na escola, professores e direção - com anuência dos pais - passam a achar que o dever de educar globalmente aquele menino é da instituição. "Não é. A educação do ser humano pensado como um todo ainda é responsabilidade da família. A escola tem um papel fundamental, mas na complementação disso". Embora acredite que família, escola e pediatria devam andar juntas e desejar a educação das crianças, cada um tem seu papel. Pais sem tempo de educar e de estar por perto exigem cada vez mais dos colégios e cobram que as escolas vigiem, monitorem e relatem os pormenores das atividades de seus filhos enquanto estão lá. "E o pior é que há escolas que compram essa idéia. Escola não é lugar de vigilância, é lugar de incentivo ao conhecimento", propõe Leonardo.

E essa é outra característica que perde espaço quando a culpa fica em primeiro lugar. Culpados por não terem mais tempo de se dedicar à própria formação, em função do acúmulo de atividades, os professores acabam inibindo e desestimulando os alunos a perguntar, a questionar. Aqui o receio é de não saber a resposta certa e que isso possa botar a perder a reputação de mestre. O problema é que a pergunta também faz crescer, traz autonomia de pensamento e um bom educador é aquele cuja resposta não encerra o assunto. Para Leonardo, em casa, ou na escola, cada resposta deveria trazer novos questionamentos. "Assim como a gente precisa estar atento às necessidades da criança e não responder mais do que ela precisa saber, também não devemos responder de forma a matar a curiosidade dela. É bom deixar uma porta aberta para a próxima pergunta".

O que fazer?
E diante desse mar de dúvidas em que os adultos navegam, transitando entre a culpa, o medo do abandono e o desejo de criar meninos e meninas autônomos, com capacidade de escolha, o que fazer? Posternak sugere algumas idéias. Primeiro, é preciso ter firmeza no que se quer ensinar. Informação é menos importante que conhecimento. Ou seja, é melhor estar baseado em três ou quatro princípios fundadores e levar eles a sério a ficar recitando 101 dicas dos manuais de educação. "A dupla informação é muito nociva para a criança. O pai que ensina a não mentir, mas mente ao falar com alguém no telefone, ou o professor que ensina a respeitar os diferentes, mas não consegue dar aula para um aluno com síndrome de Down estão confundindo uma cabecinha em formação".

Também a noção de hierarquia é algo especial em educação. "Um pai é um pai e não um amigo. Ele pode até ser um pai amigo, mas tem que ser um pai", propõe. O mesmo vale na escola. A figura da autoridade - ao contrário do que se prega -, quando coerente e tranqüila, permite que a criança se sinta segura. Ela entende as regras e os papéis ali estabelecidos, confia na organização proposta. E uma criança segura "pode voar mais alto, pode alcançar mais facilmente a auto-confiança e a auto-estima. E essa criança, certamente, é uma criança mais capaz". Junto com isso, tem o direito à verdade. O especialista entende a criança como um ser inteligente. "Não é nenhum bobinho incapaz de compreender as coisas". Por isso é prova de respeito a esse pequeno sujeito em formação oferecer a ele a verdade. Claro que com as formas e os conteúdos que a criança pode alcançar, mas não se deve privá-la da verdade. Ter a certeza de que vai ter sempre a verdade também ajuda a criança a ser mais independente, porque confia mais.

Por fim, e mais importante de acordo com Leonardo, é perceber e acreditar que uma criança educada para a autonomia (ou seja, respeitada como sujeito desde o nascimento, livre para fazer escolhas, com direito a errar e a acertar, com tempo para brincar e para ficar sozinha, que enxerga e respeita as autoridades, que é capaz de conhecer a verdade e de formular perguntas, que tem limites e que reconhece o não, que se frustra, mas que também aposta no futuro) representa nada mais nada menos que o cerne daquilo que desejamos formar - e que se convencionou chamar de cidadão.

Pesquisar em
1128 conteúdos

Notícias

MASP

Passagens por Paris - Arte moderna na capital do séc. XIX

Notícias

Universidades latinas atraem poucos estrangeiros

Instituições têm melhorado sua presença em rankings internacionais, mas continua

Roteiros de Aula

Ninguém tira Zero

Província elimina nota zero para proteger autoestima de alunos

Notícias

França e Alemanha lembram 100 anos da Primeira Guerra

Presidentes Hollande e Gauck homenageiam mortos nas batalhas e destacam importân

COPYRIGHT © HISTÓRIANET INTERNETWORKS LTDA

PRODUZIDO POR

SOBRE O HISTORIANET